O RH está desconectado? Veja como ele pode ser reconectado

A área de Recursos Humanos como conhecemos está se atualizando. Hoje, a força de trabalho nas empresas está mudando graças à tecnologia - tendências como conectividade social, mobilidade e armazenamento na nuvem têm mudado como, onde e quando as pessoas querem trabalhar, enquanto robôs e inteligência artificial estão transformando muitos postos de trabalho em coisas do passado. 

As organizações precisam redesenhar os conceitos de como essas mudanças estão afetando o mercado e o ambiente de trabalho. Em muitos casos há um desalinhamento entre o que as empresas precisam fazer e o que as estratégias de gestão de talentos têm realizado dentro dos objetivos da empresa. A realidade é que o RH com frequência passa por períodos em que perde o protagonismo, sendo pouco convocado para ajudar a repensar ideias e encontrar maneiras de entregar estratégias de valor para os negócios.rh-nova-visao

A necessidade de um planejamento proativo para o futuro é uma realidade que o RH precisa encarar. O setor precisa reconhecer e entender que a tecnologia continuará a transformar a economia global, e se preparar imediatamente para as mudanças que virão na força de trabalho.
 
Uma nova visão para o RH

Para abraçar o futuro, o RH não deve apenas se concentrar no que é relevante para o negócio, mas dominar habilidades como gestão estratégica, imersão de negócios e consultoria especializada. Para assumir esse novo papel, a área deve se concentrar em:

1. Extinção dos papeis tradicionais do setor de Recursos Humanos
Os departamentos de RH em todos os lugares têm diminuído e a pressão pela redução do número de funcionários deve ser abraçada como meio de acelerar a automação de atividades de recursos humanos e de gestão de talentos. Isso vai permitir que os gestores assumam a responsabilidade por novas contratações e condução de estratégias.

2. A transformação de profissionais de RH em coaches e tomadores de decisões estratégicas
O departamento de Recursos Humanos irá se transformar em um facilitador de talentos: guiando, treinando e capacitando gerentes a se conectarem com seus talentos e assumirem essas responsabilidades. Os gerentes deverão coordenar os talentos de equipe tanto quanto seus resultados de produtividade operacionais. O RH ficará mais livre para aumentar o engajamento da força de trabalho, concentrando-se na experiência do funcionário e trabalhando com estrategistas para identificar e desenvolver futuros líderes que tenham a habilidade de gerenciar e engajar pessoas, bem como conduzir os resultados operacionais estratégicos.

3. A emergência de profissionais de RH responsáveis pela análise e gerenciamento de força de trabalho
Apesar da cobrança das organizações por resultados, o RH estratégico está se transformando e boa parte das empresas não tomou atitudes para ajudar o setor a melhorar suas habilidades para atender essas demandas. Em breve, uma nova geração de profissionais de RH com fortes habilidades analíticas e alto tino comercial vai surgir - e será encontrada fora da cadeia atual de profissionais de RH.
Esses estrategistas da força de trabalho vão criar uma nova visão do negócio, trabalhando lado a lado com outras unidades para combinar a gestão de talentos, a questão operacional e os dados financeiros. Informações sobre produtividade e bem-estar vão ajudar a moldar o RH e guiar as decisões de negócios.
O departamento de recursos humanos está se transformando e é evidente que os profissionais devem se preparar para sua própria reinvenção e risco de extinção.

*Juliane Yamaoka é gerente geral da Efix.

Compartilhe

Submit to FacebookSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn