A sedução das cidades menores

Ago 30 2008

Ir para o interior, fugir das confusões de cidades como São Paulo e Rio de Janeiro, ter uma vida mais saudável e com menos custos. Isso não diz respeito apenas às pessoas. As próprias empresas estão, aos poucos, descobrindo que vale a pena abrir novas centrais de atendimento em cidades menores. Em algumas, por exemplo, o ISS (Imposto sobre Serviço) cai para 2%, ante 5% cobrado na capital paulista. Além da economia em impostos, a chances de formar mão-de-obra qualificada é maior porque a rotatividade dos funcionários é inferior à dos grandes centros.

Mas um detalhe continua o mesmo, o segmento de telesserviços se destaca por ser a porta de entrada de trabalho para jovens sem experiência anterior, além de ser um dos maiores empregadores com carteira assinada: teleatendentes, multiplicadores e analistas de tráfegos, analistas de treinamento, coordenadores, gerentes e supervisores são algumas das funções com maior demanda.

Em algumas cidades do interior, a implementação de centrais de atendimento amplia as chances de fazer carreira na região, favorecendo economicamente não apenas o próprio município, mas as cidades do entorno ? uma vaga em Campinas, por exemplo, atrai profissionais de várias outras cidades vizinhas. E o interior de São Paulo é uma das regiões que mais atraem novos sites de empresas de call center. Cidades como Campinas, Jundiaí, São José dos Campos, Mogi das Cruzes e Ribeirão Preto se destacam como possíveis pólos do setor, mas estados vizinhos, como Minas e Paraná, além de Santa Catarina, também são sedutores para as empresas.

"A busca de implantação de call centers em localidades fora dos grandes centros urbanos é, sim, uma tendência impulsionada pela busca de uma redução de custos", confirma Miguel Windt, diretor comercial da TMKT, que tem centrais instaladas em São Paulo, Rio de Janeiro e em Joinville (SC).

Windt lembra que, além dos incentivos fiscais, a seleção também leva em conta fatores qualitativos. Entre eles o ?índice de crescimento populacional, disponibilidade da mão-de-obra, principalmente estudantes universitários, facilidade de acesso por meios alternativos de condução [...] De nada adianta somente esse incentivo se não tivermos nestas cidades os demais aspectos que nosso negócio demanda na contratação intensiva de mão-de-obra. Um deles é facilidade de acesso às nossas instalações, que proporciona maior satisfação", afirma.

 

A Dedic optou por abrir um novo site em Londrina (PR), após acordo com a Prefeitura e instituições locais. Os investimentos da empresa serão de R$ 25 milhões e espera gerar dois mil novos empregos na fase inicial do projeto. A companhia também firmou parceria com a Funttel (Fundo para o Desenvolvimento Tecnológico das Telecomunicações) em um programa de capacitação de jovens para o primeiro emprego na cidade.

 

Com sites em São Paulo, Porto Alegre (RS) e Salvador (BA), a Vidax optou em abrir um novo centro na cidade de Mogi das Cruzes (SP) por ter descontos em tributos, porém, para Marcelo Amaro, diretor comercial da empresa, a possibilidade de criar empregos na região abre várias oportunidades. ?A escolha dos sites fora dos grandes centros comerciais também é tomada considerando critérios como desenvolvimento do local, oportunidade de negócios, poder disponibilizar alternativas operacionais e de custos para nossos clientes e futuros contratantes?, conta Amaro. ?Todas as cidades onde possuímos contact center são interessantes devido à sua importância geoeconômica e mão de obra local?, completa.

A empresa firmou parcerias para divulgação de vagas e encaminhamento de currículos, visando futuros cursos de capacitação profissional para a área de call center.

A ACS possui três sites de atendimento: dois em Uberlândia (MG) e um em Campinas (SP). "A escolha da localização da ACS no interior de Minas Gerais foi muito assertiva, pois conseguimos aliar os melhores recursos para o funcionamento ininterrupto da empresa, com áreas de descanso com design moderno e voltadas para a melhor qualidade de vida, salas de reuniões e treinamentos adequadas, anfiteatro e estacionamento com alta segurança, bosque e um clínica médica interna. E em Campinas, prezamos pelas mesmas características e temos um ponto estratégico de ligação com os grandes centros", cita Hamilton Reis, diretor superintendente da companhia. O executivo também considera a questão dos recursos humanos como preponderante. "Avaliamos se o local é uma boa fonte de pessoal com boa qualificação, se dispõe de escolas de nível superior, população universitária, acessibilidade e facilidade para traslados, além do potencial da região e até mesmo o nível de saturação com presença de outras empresas do mesmo setor", acrescenta.

No interior de São Paulo, a Tivit tem operações nas cidades Mogi das Cruzes, São José dos Campos e Jundiaí, focadas em serviços de Business Process Outsourcing (BPO). No mesmo estado, além da capital a Atento está presente em São Bernardo do Campo, São José dos Campos, Campinas e Ribeirão Preto.



Compartilhe

Submit to FacebookSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn